quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Assentamento Surubim diz sim ao prefeito Mauricio Menezes


Quarta feira a noite (07), Surubim deu carta branca ao prefeito Mauricio, para que, o lixão fosse  colocado próximo ao assentamento. Segundo moradores, pessoas que não tem nada a ver com a administração espalharam boatos, que o lixo transportado chegaria a atingir o solo, colocando em risco  todo o bem estar da comunidade.

Na reunião, logo após o pronunciamento do prefeito, moradores proclamaram seus manifestos favoráveis e por  unanimidade de votos, colocaram seus desejos em contribuírem para o desenvolvimento do município de Poço Branco.

     

2 comentários:

  1. Caro Néo...
    A Lei 12.305 de 02 de Agosto de 2010, que é uma Lei das mais avançadas do mundo no assunto, é clara: NÃO SE PERMITE MAIS LIXÕES A CÉU ABERTO NO BRASIL. O prazo para aplicabilidade desta Lei é 03 de Agosto de 2014. A média brasileira "per capita" de produção de lixo é de 800gramas/dia. Em Poço Branco, essa média é de 1.400gramas/dia e isso é muito grave. O cidadão-gestor nada mais fez do que começar a cumprir a Lei - Nova Lei dos Resíduos Sólidos - que determina que deve-se "incentivar a reciclagem e determinar o que fazer com o lixo remanescente." E eu pergunto: o que está se fazendo com referência a reciclagem de lixo em Poço Branco? Foi feito um Estudo de Impacto Ambiental da região que vai receber os resíduos sólidos? A população do Surubim sabe os riscos que corre aceitando tal "negócio da China" (aquilo que ningém quer) nas suas proximidades? A Agenda 21 de Poço Branco vem se preocupando com esse tema já algum tempo (antes mesmo da Nova Lei) e não vê como uma solução tão rápida seja a salvação da Pátria. O assunto requer tempo e adaptação e isso me parece muito precipitado, da maneira que está acontecendo, inclusive já entramos em contato com a COPEGAM - Comissão Permanente de Gestão Ambiental, do TJRN, para obter informações mais detalhadas da Nova Lei e sua aplicabilidade, de modo especial no nosso município.
    Saudações!
    J. Cassimiro

    ResponderExcluir
  2. Neo, não tenho conhecimento de quem fez o comentário de que "o lixo atinge o solo e põe em risco o bem está da comunidade". Mas, quero aqui reforçar as palavras ditas. Em 1º lugar- Não podemos dizer:"Pessoas que não tem nada a ver com a administração". Pois, em se tratando de administração pública, TODOS tem tudo a ver. Em 2º Lugar - Todo lixão prejudica o solo, bem como todas as comunidades vizinhas. Basta ler algo sobre DEGRADAÇÃO AMBIENTAL e seus efeitos, para saber que o comentário feito está corretíssimo. Outra coisa, não se pode criar lixão sem antes ter em mãos um estudo do impacto ambiental que isso irá causar. Além de uma licença fornecida pelo IDEMA, autorizando ou não.

    ResponderExcluir

sua opinião.