terça-feira, 11 de outubro de 2011

Ministério apresenta plano de ação contra dengue


Entre as medidas, está o incentivo aos municípios que cumprirem metas de prevenção e controle e a utilização das redes sociais como ferramenta de alerta
O Ministério da Saúde apresentou nesta terça-feira (11) um conjunto de ações estratégicas para enfrentamento da dengue neste verão. Entre as medidas destacam-se o incentivo financeiro a 989 municípios para qualificação das ações de prevenção e controle da doença e o monitoramento da situação epidemiológica pelas redes sociais. As novidades deste ano também contam com a ampliação da realização do LIRAa (Levantamento Rápido de Infestação por Aedes aegypti), que atingirá 556 municípios, e a revisão e atualização do protocolo de manejo clínico para atendimento de crianças e adultos com a doença.
Confira o áudio da coletiva - Parte 1 | Parte 2
O monitoramento da situação epidemiológica pelas redes sociais irá funcionar como um sistema de vigilância complementar, possibilitando a análise, em tempo real, de informações sobre a dengue por região geográfica e municípios com população acima de 100 mil habitantes. Os alertas serão acompanhados pelo sistema de vigilância em saúde, para verificar possíveis regiões que apresentem indicativo de aumento de casos da doença. O monitoramento começa a ser feito a partir de novembro.
“O Ministério da Saúde utilizará todos os meios de informação para antecipar as ações contra a dengue. As redes sociais serão usadas dentro dessa estratégia”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Segundo ele, é preciso se preparar e agir com antecedência para reduzir os casos de dengue. O ministro explica que outra ação inovadora será o incentivo aos municípios que alcancem resultados positivos. Serão metas como a manutenção do número adequado de agentes de controle de endemias para uma maior cobertura das visitas domiciliares e na realização do LIRAa.
O gestor local, na vigilância e assistência, ainda, deve notificar os casos suspeitos de dengue grave e os óbitos, além de ter uma rede de atenção primária com capacidade para atender casos na sua área de abrangência. Para receber o recurso (que corresponde a 20% a mais do valor anual do Piso Fixo de Vigilância e Promoção da Saúde), o município precisa apresentar um plano de contingência com detalhamento das ações a serem desenvolvidas. Ao todo está previsto um incremento de R$ 90 milhões.
“O ministério está lançando uma série de iniciativas que tem como foco o atendimento correto da população”, explica Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde. Como exemplo de medida neste sentido, cita o Guia de Orientações para Organização da Rede Assistência, que será disponibilizado para todos os estados e municípios. A estratégia também será ampliada pela sensibilização dos profissionais de saúde de unidades de urgência, emergência e atenção à básica. A ideia é promover a capacitação e formação de 66 mil profissionais.
De acordo com o balanço epidemiológico, até setembro deste ano, foi registrada uma redução de 40% no número de casos graves da doença, 25% no número de óbitos e 24% nos casos notificados em país, em comparação com o mesmo período de 2010.
Força Nacional –O Ministério da Saúde acompanhará de perto a evolução da dengue nos estados e municípios. Para os locais com alta letalidade e casos, poderão ser utilizadas ações como o envio da Força Nacional de Saúde. A pasta ainda prestará assessoria aos estados com maior risco, fará reuniões macrorregionais de mobilização nos estados, com o objetivo de intensificar as medidas de prevenção e controle, e o Grupo Executivo Interministerial definirá as ações intersetoriais do governo federal.
Circulação Viral –A Dengue possui quatro sorotipos de vírus (DENV 1, DENV 2, DENV 3 E DENV 4). As atividades devigilância virológica em 2011, destacam o predomínio da circulação do sorotipo DENV 1 no país. Foram constatadas, porém, uma circulação importante dos tipos DENV 2 e DENV 4. Esse cenário, associado às condições ambientais, que permitem a manutenção do mosquito Aedes aegypti, alerta para a possibilidade de persistência da transmissão em níveis elevados do vírus no verão de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

sua opinião.