segunda-feira, 14 de novembro de 2011

um exemplo de cidadania

Professor Laércio e Reginaldo

  • Nos conte quando começou esse seu projeto de xadrez?

Na verdade, o projeto foi de iniciativa do Governo Federal, através dos Ministérios da Educação e do Esporte, em parceria com os Governos Estaduais objetivando oportunizar aos alunos das escolas públicas, uma atividade, dentro do espaço escolar; que seja atrativa, educativa e inclusiva, melhorando assim a qualidade do ensino e da vida de nossos alunos.

Quando comecei a trabalhar na E. E. Carmem Costa (há uns 10 anos atrás), não tinha conhecimento desse projeto, pois ele foi iniciado em julho de 2003. Quem me comunicou foi o coordenador de desportos Aédson Soares da 16ª Dired.

Nesse tempo, durante as minhas horas vagas e quando às vezes estava disponível na escola, ensinava e jogava xadrez com colegas de trabalho e alunos só para passar o tempo e se distrair. Eu já conhecia o jogo e tinha amplo domínio sobre o mesmo, pois aprendi a jogá-lo com 7 anos de idade.

Esporadicamente, alguns torneios vinham sendo realizados e patrocinados pela vereadora Nilce Cavalcante e o seu irmão João Holanda que também tomaram conhecimento do meu “trabalho” na época (para mim era diversão) e que contribuíram para a sua divulgação.

Em 2005, se bem me lembro, o Coordenador de Esportes Aédson Soares junto com a Diretora da 16ª DIRED Francisca Alves Rodrigues me fizeram a proposta para trabalhar com o projeto xadrez na Escola Estadual Carmem Costa, dispondo de 6 horas da minha carga horária sem nenhum prejuízo. À princípio hesitei, pois eu era um jogador e não professor. Me informaram que eu receberia treinamento e faria cursos de capacitação. Então aceitei a proposta.

Recebi o material didático (20 tabuleiros, 20 jogos de peças, 20 livrinhos e um mural didático) e logo após vieram as 20 mesas e 40 cadeiras.

Com todo o material em mãos e terminado o curso de capacitação “mãos à obra”. Comecei a ensinar alunos de várias faixas etárias e séries diferentes. Para mim não importava quem quisesse aprender, ensinava a todos. Alunos das outras escolas (E. E. José Francisco Filho, E. M. Raimundo Rosa Santiago e E. M. Aluizio Alves) tomaram conhecimento e vieram se juntar aos demais.

Havia um certo “desencontro” no meu trabalho pois não estava em conformidade com o Projeto Político Pedagógico da Escola, não tinha um horário definido durante a semana (o único horário definido era aos sábados das 7:00 às 11:00 horas) e não tínhamos uma sala apropriada (até hoje não temos e sempre utilizei o salão da escola) para a prática do xadrez.

Em 2007, com o apoio e incentivo do coordenador de esportes Aédson Soares, resolvi inscrevê-los nos JERN´S da Regional de João Câmara, pois os alunos já tinham certa habilidade. Era a primeira vez que disputava-mos um torneio fora da cidade e o resultado  não poderia ser melhor: ganhamos quase todas as categorias! E de lá pra cá vocês já conhecem o resto da história.
  • Qual foi a finalidade da sua participação na tribuna popular da câmara municipal na terça feira passada?

A minha intenção foi, pura e simplesmente, agradecer a contribuição que os vereadores deram fornecendo a alimentação dos atletas durante os 8 dias de competição nos JERN´S em Natal e aproveitar a oportunidade para comunicar a todos os segmentos da sociedade que já está mais do que na hora de se tomarem providências com relação aos investimentos no xadrez.

  • Quem tem colaborado com esse projeto dessas crianças no nosso município?

É uma lista enorme de amigos. Vou citar apenas as pessoas que foram de vital importância: o Prefeito Maurício Menezes (que cedeu o transporte e parte da alimentação dos atletas), a Secretária de Educação Dinalva Menezes (que doou 3 relógios de xadrez), a Professora Iris Rodrigues (com a colaboração da Deputada Federal Fátima Bezerra, que doou mais 2 relógios de xadrez), a atual Vice-prefeita Nilse Cavalcante e o seu irmão João Holanda (que organizaram o primeiro torneio não oficial na cidade chamado “Sorria Poço Branco”), os vereadores Percivaldo, Jr. Miranda, Suélia, Maurício Dantas, Alexandre, Kleber e principalmente o Vereador Edinho e a Vereadora Socorro (que contribuíram, também, com a alimentação dos atletas), a Professora Sônia Felipe de Almeida e a Diretora e o coordenador de desportos da 16ª DIRED, Francisca Alves Rodrigues e Aédson Soares de Freitas que me fizeram a proposta do Projeto Xadrez nas Escolas.

  • Como se faz um campeão?

Muito trabalho, dedicação, incentivo, oportunidade e principalmente gostar do que se faz.

  • Qual será o seu próximo passo em relação aos torneios ou campeonatos de xadrez?

A princípio, gostaria que houvesse um torneio no período das férias escolares (Janeiro e Fevereiro) só entre alunos das escolas estaduais e municipais, organizado pela FNX e patrocinado pela Prefeitura.

  • Como todos nós sabemos que o Projeto da E. E. Carmem Costa, e da importância do seu trabalho desenvolvido com todos os alunos, tanto na rede municipal e estadual, vem ganhando força principalmente a nível de estado, como você se sente?

Feliz e muito otimista, pois sei que esse resultado foi fruto de fé, coragem, determinação, persistência e principalmente amor, e sempre acreditando em Deus. E ficou provado que nós temos capacidade, só precisamos de incentivos e oportunidades.

  • Para encerramos. O que as autoridades do nosso município poderiam contribuir para que esse projeto se torne mais sólido e possa se expandir com relação a estrutura e o desenvolvimento do nosso esporte?

Implantar definitivamente o Projeto Xadrez em todas as escolas estaduais e municipais (assim como foi feito no município de Macaíba), promover torneios de xadrez trimestrais (incluído o do aniversário da cidade que a prefeitura já vem realizando) como outra opção de esporte e lazer e conseguir recursos para os nossos atletas disputarem torneios fora do nosso município representando a cidade (os JERN´S e os Jerninhos por exemplo).

  • Suas considerações finais por favor!

Como sempre tenho dito, o xadrez é uma, entre tantas outras atividades esportivas, educativas e culturais, que contribui para o aprimoramento de diversas capacidades intelectuais e sociais das crianças. O xadrez além de ser um jogo/esporte/arte/ciência, também forma cidadãos, e é isso que a nossa cidade tanto precisa, para tirar os nossos jovens das ruas, das drogas, da ociosidade por falta de opção e oportunidade: uma atividade atrativa, educativa, esportiva e inclusiva, melhorando assim a qualidade de vida das crianças e formando cidadãos.

E por ser de fundamental importância cabe a todos nós, autoridades e educadores, a responsabilidade de não deixá-lo cair nas mãos do descaso, do abandono, da falta de cultura e cidadania.

Agradeço a todos que me ajudaram nessa jornada, pois só com a participação e a contribuição de todos os segmentos da sociedade estaremos colaborando para a formação de um mundo melhor. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

sua opinião.