quinta-feira, 19 de março de 2015

Poço Branco: Vereador Rodrigo Lucas sem Brasilia, Nilse sem a cadeira. Confira!

Rodrigo Lucas do PROS-90

Com a desistência do vereador Rodrigo Lucas, que estava cotado a passar uma temporada no Distrito Federal "Brasilia" à convite do deputado federal Rafael Motta, Nilse Cavalcante perde a oportunidade de assumir a cadeira na Câmara Municipal.

Segundo Rodrigo Lucas; a oportunidade de permanecer assessorando o deputado na capital do estado do RN, viabiliza o pleito eleitoral para 2016, já que o seu partido o "PROS-90",  deve lançar o seu próprio candidato a chapa majoritária.

Poço Branco: Carnaval privado ou não o povo fez a festa. Confira!

Lamentável mesmo é a tradição carnavalesca da nossa cidade se escafeder pelo ralo. Enquanto isso alguém leva vantagem as custas de uma cidade que continua em estado de calamidade com relação a seca.
Na verdade; os tempos de brincar carnaval em um recinto fechado acabaram-se. Ah bem da convivência mutua, ambos tiraram seus proveitos digamos lá "Politicos". Seja fatos ou boatos, o objetivo era dividir opiniões entre os foliões, comerciantes e ambulantes, que por sinal já arcaram com suas despesas.
Graças a Deus tudo ocorreu bem, ficando apenas a intriga, que somou, a falta de consciência de quem realizou, de quem atrapalhou e de quem se escondeu não estando nem aí, para que esse evento acontecesse.

O que nos restou foi um evento de grande porte, como era o nosso Carnaval transforma-se numa "F4000 x paredão" puxando os foliões e no tradicional Largo do Caxiadão a "privatização", algo  nunca visto na querida Poço Branco.

Sem falar no Hino Nacional do Brasil que se tornou-se oficialmente em Poço Branco a "Muriçoca soca". o povo mostrou que não está nem aí pra brigas politicas. Idealizou seu próprio carnaval, tantos nas avenidas como nas suas calçadas.

Tirando a " Privatização", o cantor da nossa terra apenas usou a metáfora de que o Hino Nacional do carnaval entrou no ritmo da musica da "Muriçoca soca soca". 

Afinal meus amigos, convivemos a muito tempo no meio delas. 


  







   

Dengue: levantamento aponta que 340 cidades do Brasil estão em situação de risco

Considerado o novo mapa da dengue, LIRAa identifica regiões em que há focos de reprodução do Aedes aegypti

O Ministério da Saúde divulgou no dia 12 de março de 2015 o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti, conhecido pela sigla LIRAa, que mostra que 340 municípios brasileiros estão em situação de risco e 647 cidades estão em nível insatisfatório de imóveis com larvas de mosquito, que transmite não só a dengue como também a febre chikungunya
Entre as 340 cidades em risco de epidemia, metade delas (171 no total) está no Nordeste. A outra metade se divide entre as outras regiões do país: 54 no Sudeste, 51 no Sul, 46 no Norte e 17 no Sudeste. 
Ao todo foram considerados dados de 1844 cidades do país, em levantamento feito nos meses de janeiro e fevereiro de 2015. A classificação do estudo é dada de acordo com o número de imóveis que apresentam larvas do mosquito Aedes aegypti. Uma cidade é considerada em risco quando mais de 3,9% das casas as apresentam. Quando o número está entre 3,9 e 1%, as cidades são consideradas dentro de níveis insatisfatórios e se a porcentagem é menos do que 1%, então o nível é satisfatório. 
Entre as capitais, Cuiabá (Mato Grosso) é a única em estado de risco. Mas outras 18 capitais estão em estado de atenção: Aracajú (Sergipe), Belém (Pará), Belo Horizonte (Minas Gerais), Campo Grande (Mato Grosso do Sul), Fortaleza (Ceará), Goiânia (Goiás), Macapá (Amapá), Maceió (Alagoas), Manaus (Amazonas), Palmas (Tocantins), Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Porto Velho (Rondônia), Recife (Pernambuco), Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Salvador (Bahia), São Luís (Maranhão), São Paulo (São Paulo) e Vitória (Espírito Santo). No entanto, cinco capitais não apresentaram dados ao levantamento: Curitiba (Paraná), Boa Vista (Roraima), Florianópolis (Santa Catarina), Natal (Rio Grande do Norte) e Boa Vista (Acre). 
Além disso, o levantamento mostrou quais os principais tipos de criadouros por região. Veja na tabela: 
RegiãoArmazenamento de águaDepósitos domiciliaresLixo
Norte24,527,348,2
Nordeste76,517,85,7
Sudeste21,752,625,7
Centro-Oeste24,224,251,6
Sul14,832,552,7
Fonte: Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), divulgado pelo Ministério da Saúde em 12/03/2015